ABM - Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração

Estamos em home office. O suporte pelo tel (11) 5534-4333 estará indisponível nesse período.

Senai lança programa de aprendizagem 4.0 para formar futura mão de obra da indústria

Mudanças buscam tornar a formação do jovem aprendiz mais digital e inovadora, contribuindo para sua empregabilidade

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) lançou, na última terça-feira (15), o Aprendizagem 4.0, programa piloto que busca ofertar a aprendizagem em um formato mais digital e inovador, reunindo competências técnicas requeridas pela Indústria 4.0, e competências socioemocionais, fundamentais para o mundo do trabalho de hoje.

Voltado para jovens de 14 a 24 anos, o programa combina as modalidades de educação a distância (EaD) e presencial. Inicialmente, o programa piloto abrangerá duas áreas tecnológicas: Metalmecânica e Tecnologia da Informação, qualificações consideradas transversais com atuação em diversas áreas de indústria.

Com o conhecimento adquirido na aprendizagem, o jovem poderá aproveitar a carga horária para dar continuidade a seus estudos no Senai, ou seguir carreira técnica ou de nível superior. Vale lembrar que o Programa de Aprendizagem não tem custo para o aprendiz. Para a empresa, o único custo é o salário do jovem, já que o Senai apoia no processo de seleção e cuida da formação.

 “A participação em cursos de Aprendizagem Industrial do Senai é o primeiro passo para jovens e adolescentes terem acesso ao primeiro emprego”, explica Rafael Lucchesi, diretor geral do SENAI. “Com este programa, vamos poder entregar para a indústria um aprendiz que agregará mais valor à sua equipe, e que estará atualizado às tendências da indústria 4.0, que poderá concorrer a vagas na empresa”, afirma ele.

No caso de Metalmecânica, o aprendiz terá acesso às principais inovações tecnológicas dos processos de manufatura avançada, e depois poderá, seguir sua formação, por exemplo, no curso para técnico em Mecânica.

Já no curso da área  de Tecnologia da Informação, o aprendiz vai aprender a programar, codificar e testar sistemas com uso de inteligência artificial, desenvolvendo competências de integração, automação e conectividade. No futuro, esse aprendiz pode se tornar técnico em Internet das Coisas (IoT), por exemplo.

Indústrias parceiras do SENAI que já tinham interesse neste novo formato de aprendizagem entrarão no programa piloto com 280 vagas. A expectativa do Senai é de que outras empresas também venham a aderir, chegando a pelo menos mil vagas para aprendizes até o final deste ano.

Empregabilidade na aprendizagem - Durante os cursos, o aprendiz será acompanhado por um instrutor que assumirá a função de mentor, contextualizando para o mundo do trabalho o que o aluno aprende no curso. Para a experiência profissional, os estudantes assinam um contrato especial de até dois anos com carteira assinada.

Para o Aprendiz - Se você tem entre 14 e 24 anos e quer estar mais preparado para concorrer a vagas na indústria, participe do programa e desenvolva habilidades consideradas essenciais pelas empresas, independentemente da sua área de atuação.

Acesse o Contrate-me, que é a plataforma de empregos do Senai, e realize o seu cadastro. Depois, participe da entrevista online para falar sobre si mesmo: gostos e aptidões; sonhos e expectativas; o que pensa sobre sociedade e cidadania; o que faz como lazer e saúde; como são as relações de amizade e de família.

Para as empresas - O empresário que tiver interesse em fazer do aprendiz a futura mão de obra de sua empresa terá, no futuro, um profissional preparado para a indústria digitalizada e com as características exigidas (maturidade, trabalho em equipe, resolução de problemas, proatividade). Além da carga horária do curso, serão oferecidas mais 120h específicas para o desenvolvimento de competências da Indústria 4.0.

Mais informações: mundosenai.com.br/aprendizagem40

 

Fonte: Assessoria de Imprensa do Senai

Deixe seu comentário

Assine a newsletter

e fique por dentro de tudo sobre Metalurgia, Materiais e Mineração.

Publicações